Avançar para o conteúdo principal

Se eu não gostar de mim, quem gostará?

Não existem razões. Quanto mais falamos, mais nos desentendemos. "A linguagem é uma fonte de mal-entendidos". Bem verdade. Não se trata aqui de amar menos ou mais. Ninguém é ninguém para me dizer que eu amo menos que este ou que aquele. O amor não se pesa.
Penso que toda a gente vê o amor como algo positivo, o problema está nessa definição de amor. Aí, penso que não temos todos a mesma ideia.Não olhamos o amor todos da mesma forma, o que se liga com aquilo que somos. Conforme construímos o nosso "eu", vemos o amor de determinada forma. Se calhar, vamos mudando às vezes, não sei bem, não sou nenhuma especialista.
Só sei que para mim o amor é simples. E não sei lidar com muita coisa que às vezes atribuem ao amor. No outro dia perguntavam-me "Mas tu não te prendes às pessoas?" e noutra vez disseram-me "Tu és diferente. Tu não te prendes, não te dás!". Eu fiquei a pensar naquilo, juro que fiquei. Será verdade que não me prendo, não me dou? Será que por achar que no amor as pessoas não se devem anular, que devem continuar a ter um "eu" próprio fora do "nós" da relação, que as pessoas pensam assim a meu respeito? Talvez. Mas sim é verdade, é nisso que acredito. Uma relação não destrói (ou não deveria destruir) aquilo que a pessoa é na sua essência. Defendo que as pessoas não devem modificar completamente as suas vidas; acho que de outra forma as pessoas não estão a amar, mas sim a apagar-se.
Além disso, onde fica aquela ideia do "Se eu não gostar de mim quem gostará?"; para mim faz todo o sentido continuarmos a pensar em nós, naquilo que somos e a preocupar-nos com quem somos, sermos singulares. Porque se não soubermos ser um, sós, independentes, equilibrados no nosso mundo, mundo esse onde nos sentimos bem, amenos e tranquilos, não saberemos passar o que somos ao outro, mostrar a nossa essência, a nossa realidade. Nunca poderemos partilhar o nosso mundo, simplesmente porque ele não existe, e se chegarmos a entrar no mundo do outro, perdemos o nosso, pois não o temos construído numa base segura. A nossa base passa a ser a pessoa amada e quando algo corre menos bem com ela, o nosso mundo rui...
Por isso, sim, sou egoísta, insensível, fria, o que quiserem chamar. Sou parva e não sei lidar com relações. Fujo e não gosto de dar justificações. Afasto-me, sinto-me mal. Sim, é verdade e sê-lo-à sempre. Porque algumas atitudes vão contra aquilo que sou e eu não consigo aceitá-las, não sei lidar com elas e apetece-me esconder-me num local longe onde não tenha de me preocupar com pormenores que não conheço.
Eu aceito e compreendo outras ideias de amor. Só não funcionam comigo, não consigo pô-las em prática, o que não significa que para outras pessoas não funcione muito bem. Gosto de fazer a minha vida, ter alguma independência e individualidade. Não gosto de me sentir presa, pressionada e com imposições. Não gosto disso.

Sou mesmo assim, não sei ser diferente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …