Avançar para o conteúdo principal

Se eu não gostar de mim, quem gostará?

Não existem razões. Quanto mais falamos, mais nos desentendemos. "A linguagem é uma fonte de mal-entendidos". Bem verdade. Não se trata aqui de amar menos ou mais. Ninguém é ninguém para me dizer que eu amo menos que este ou que aquele. O amor não se pesa.
Penso que toda a gente vê o amor como algo positivo, o problema está nessa definição de amor. Aí, penso que não temos todos a mesma ideia. Não olhamos o amor todos da mesma forma, o que se liga com aquilo que somos. Conforme construímos o nosso "eu", vemos o amor de determinada forma. Se calhar, vamos mudando às vezes, não sei bem, não sou nenhuma especialista.
Só sei que para mim o amor é simples. E não sei lidar com muita coisa que às vezes atribuem ao amor. No outro dia perguntavam-me "Mas tu não te prendes às pessoas?" e noutra vez disseram-me "Tu és diferente. Tu não te prendes, não te dás!". Eu fiquei a pensar naquilo, juro que fiquei. Será verdade que não me prendo, não me dou? Será que por achar que no amor as pessoas não se devem anular, que devem continuar a ter um "eu" próprio fora do "nós" da relação, que as pessoas pensam assim a meu respeito? Talvez. Mas sim é verdade, é nisso que acredito. Uma relação não destrói (ou não deveria destruir) aquilo que a pessoa é na sua essência. Defendo que as pessoas não devem modificar completamente as suas vidas; acho que de outra forma as pessoas não estão a amar, mas sim a apagar-se.
Além disso, onde fica aquela ideia do "Se eu não gostar de mim quem gostará?"; para mim faz todo o sentido continuarmos a pensar em nós, naquilo que somos e a preocupar-nos com quem somos, sermos singulares. Porque se não soubermos ser um, sós, independentes, equilibrados no nosso mundo, mundo esse onde nos sentimos bem, amenos e tranquilos, não saberemos passar o que somos ao outro, mostrar a nossa essência, a nossa realidade. Nunca poderemos partilhar o nosso mundo, simplesmente porque ele não existe, e se chegarmos a entrar no mundo do outro, perdemos o nosso, pois não o temos construído numa base segura. A nossa base passa a ser a pessoa amada e quando algo corre menos bem com ela, o nosso mundo rui...
Por isso, sim, sou egoísta, insensível, fria, o que quiserem chamar. Sou parva e não sei lidar com relações. Fujo e não gosto de dar justificações. Afasto-me, sinto-me mal. Sim, é verdade e sê-lo-à sempre. Porque algumas atitudes vão contra aquilo que sou e eu não consigo aceitá-las, não sei lidar com elas e apetece-me esconder-me num local longe onde não tenha de me preocupar com pormenores que não conheço.
Eu aceito e compreendo outras ideias de amor. Só não funcionam comigo, não consigo pô-las em prática, o que não significa que para outras pessoas não funcione muito bem. Gosto de fazer a minha vida, ter alguma independência e individualidade. Não gosto de me sentir presa, pressionada e com imposições. Não gosto disso.

Sou mesmo assim, não sei ser diferente.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga! Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária. Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que se…