Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Janeiro, 2017

Há sempre uma razão.

Porque realmente cada pessoa entra na tua vida por alguma razão. Algumas às vezes só para te abrirem os olhos, mostrarem-te duas ou três coisas, para entretanto saírem da tua vida de novo. Seja porque na verdade nunca criaram uma ligação contigo, isso aconteceu apenas na tua imaginação; seja porque tudo aquilo que te mostraram foi fingido ou irreal. De qualquer das formas tu aprendes e isso é bom. Tens de agradecer a essas pessoas, ainda que possa ser frustrante muitas vezes. Até porque tu vês o enorme valor que elas têm e que não percebem que tu reconheces e eventualmente não te reconhecem a ti. Às vezes é triste, porque tu crias uma ligação forte com elas, que elas não vêm, não valorizam ou não conseguem corresponder. Mas não te esqueças, essas pessoas têm valor, ensinam-te coisas importantes... e tu também tens valor, por isso se eventualmente essas pessoas te fazem sentir menos ou em vez de te fazerem sentir mais te fizerem sentir a mais, tens o direito de desligar, dizer adeus co…

pedaços.

Eu queria.
Pegar em ti, em todos os teus pedaços
rasgados e perdidos por aí, 
encontrá-los a todos, 
um a um, e colá-los a mim. 
Com a toda a calma e com todo o carinho, 
cobrir-me deles, 
despedaçar-me também. 
desfazer-me,
esquecer-me
e lembrar-te.
Desfazer-me em ti 
e criar-nos de novo.

Coisas da vida.

Eventualmente a sexta feira vai chegar. Adeus trabalho, adeus stress, adeus tensão, adeus colegas de trabalho, divirtam-se, tenham um ótimo, fantástico fim de semana, com as vossas famílias e amigos, enquanto eu vou só ali e venho já, que é como quem diz "volto na segunda-feira" (mas é só porque tenho que voltar), vou ali esquecer tudo por momentos, esquecer até que vocês existem, que o trabalho existe, que por vezes fico tão frustrada e stressada que me apetece mandar tudo ao ar, fingir que não preciso disto, que não preciso de dinheiro para viver, para nada na verdade. Eventualmente a sexta-feira vai chegar, eu vou esquecer tudo isso. Eventualmente a segunda-feira também vai chegar e vou ter de viver tudo isso de novo, pelo menos enquanto não me der na cabeça desistir de tudo, e lançar-me a mais uma aventura.

Ano novo, casa nova.

Esta coisa de andar sempre a saltar de um lado para o outro dá comigo em doida. Nem sempre adoro rotinas, mas confesso que já me sabia bem alguma estabilidade. Há um ano estava a preparar-me para ir para Londres e, entretanto, tanto se passou e tantas saudades tenho de Londres, das minhas pessoas de lá, e da pequena Kensal Rise, tão simpática e confortável. Dos pubs, dos pints, de falar inglês constantemente, de conhecer pessoas aleatoriamente, se sentir a felicidade de ser e estar, de capturar pequenos momentos, paisagens, gestos.  Em Londres vivi cerca de 3 meses e mudei de casa 2 vezes. Entretanto voltei para o Porto e passado um mês mudei-me para a capital. E agora 6 meses depois mudo novamente de casa. E tudo aponta que em breve mudarei novamente. Se é engraçado? É. Se no espaço de um ano vivi muito e cresci muito? Sem dúvida. Se conheci pessoas maravilhosas que mudaram a minha vida? Conheci. Se me arrependo de algo? Às vezes, acho que sim; mas não, acho que faria tudo de novo. Foi…