Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Fevereiro, 2011

Caminhadas

Adoro caminhar e ultimamente tenho descobrido cada vez mais esse gosto, os benefícios que isso traz em termos de saúde e não só, também em termos afectivos e relacionais. Sim, porque uma caminhada com a companhia perfeita é maravilhoso e neste momento tenho a felicidade de ter duas boas companhias para esta actividade. Em primeiro lugar, o meu namorado. Sinto que foi a mudança maior. Quando decidimos deixar o carro de lado e começar a andar pela cidade a pé, começamos a divertir-nos muito mais e a estarmos mais descontraídos, e aproximamo-nos muito mais. Não andamos com stresses de "onde estacionar o carro?", nem "a gasolina está tão cara!". Não sei explicar, simplesmente tomamos-lhe o gosto e já não passamos sem uma boa caminhada, seja por onde for. O amor também está nestas coisas, eu acho. Em segundo lugar, uma boa amiga. Se já éramos amigas, hoje sinto que somos mais, ou pelo menos sinto-me mais próxima, porque partilho algumas coisas importantes na minha vida co…

Sinceridade. Transparência. Verdade

Sempre achei que estas palavras faziam sentido na minha vida, que as queria preservar. Sei que já cometi erros e também foi daí que aprendi muita coisa. Não quero com isto dizer que "não tenho papas na língua" e que digo tudo o que me vem à cabeça, não. Tento ter cuidado na forma como digo as coisas e muitas coisas guardo para mim, por achar que não têm importância necessária para "incomodar" outras pessoas, ou seja, há coisas que nós pensamos, mas que não vão trazer nada de novo ou de bom para a pessoa com quem estamos a falar.  Mas há outras que se calhar são. Se eu quero estar numa relação de verdade e sinceridade, se espero que o outro seja sempre sincero comigo, de forma a poder confiar nele, tenho também eu de defender essa sinceridade e transparência e ser seguidora destes valores. Normalmente, isso não me parece complicado. Só que, por vezes, acontecem situações, que nós sentimos que deviam ser ditas, mas também sabemos perfeitamente que vamos magoar imenso o…

Espírito Son-Rise

Após uma reunião de voluntariado e um comentário do meu namorado sobre a maneira como eu ajo com a criança com quem faço voluntariado, reflecti um pouco. Aliás, já tenho vindo a pensar sobre isso e gostava de o por em prática, acontece é que, às vezes, me esqueço de trazer o espírito do playroom cá para fora, é como se quando lá estou com ela, estamos num mundo à parte, onde quase tudo é permitido e nos sentimos felizes e contentes, com o sol a brilhar e o céu azul. E porque não trazer tudo isto para a "vida real", para outros contextos da vida pessoal, familiar, social? É que a mim faz-me todo o sentido e acredito que de facto é muito mais saudável e dá-nos muito mais bem-estar, levando-nos a ver a vida de outra forma e a relacionarmo-nos com os outros de forma diferente e melhor. Portanto, fica aqui a minha promessa  de tentar com todos aqueles que me rodeiam ter um espírito Son-Rise, ajudando-me a mim e aos outros a crescer e a ser feliz. Parece bom não parece? Acreditem …

Chocolate

No outro dia irritei-me porque me apercebi que andavam a controlar a minha alimentação, quer dizer já o fazem desde algum tempo desde que a carne saiu dos meus menus. Sim, é verdade que ando numa fase de gulodice, mas fazer-me sentir culpada por isso não ajuda, só me faz querer mais doces ok? Posso até sentir-me um pouco culpada por momentos, mas depois vou acabar por comê-los. E que mal tem? Todos temos fases. Posso andar imenso tempo sem meter um bombom à boca que ninguém liga, mas se como demasiados é o fim do mundo... Além disso, na altura em que todos me diziam que estava demasiado magra, nunca ninguém se lembrou de me dizer que devia fazer análises para ver o que se estava tudo bem comigo, mas agora que ando a comer demasiados doces já devo fazer análises: "Inês, acho que deves ir fazer análises porque estive a falar com a pessoa X que disse que Y que era vegetariana começou-lhe a cair cabelo e a ter graves problemas porque não controlava os nutrientes que lhe faltavam, blá…