Avançar para o conteúdo principal

Ligações

Tenho andado meia perdida nas minhas coisas. Aliás, eu ando sempre perdida na minha vida, mas umas vezes disfruto da aventura e noutros vivo cheia de medo de nunca encontrar o caminho.

Eu sei que é estranho, mas tenho aprendido a fazer aquilo que sinto. Percebi que realmente estamos aqui e não é para sofrer, mas também não é para limitarmos a nossa acção só porque as pessoas podem "achar mal e eu não gosto". A certa altura dei por mim a fazer muita coisa, não porque queria mas porque os outros iam gostar disso. Quando reparei, percebi que me estava a esquecer de mim.

Porque se fizermos as coisas conforme as sentimos, somos genuínos mesmo e mostramos a nossa essência e podem haver alguns conflitos sim, por vezes, mas cada um é como é e a vida é mesmo assim.

Tento agir conforme aquilo que sinto, seguir a minha vontade. Claro que às vezes posso também fazer a vontade a outra pessoa, mas porque eu escolho fazer isso. Em vez de ter em mente "estou a fazer isto por ela", penso "eu escolhi fazer isto, e ela gosta". 

E assim, aos poucos, tenho encontrado alguma tranquilidade, tenho construído a minha auto-confiança e auto-estima.

Se calhar fiz algumas coisas extremas e tomei decisões de cabeça quente. Se calhar precisava, e não me arrependo, porque hoje vejo que correu bem.

Afastei-me de ti e na altura tinha decidido que era o fim. Era mesmo, a minha cabeça dizia-me que era o melhor porque o meu coração já não aguentava mais. Então, pronto, finito. E foi o fim. O fim de nós. Mas acima de tudo o fim de uma fase, o fim de uma relação que não estava a resultar. Ar fresco.

O fim obrigou-nos a mudar, a chatearmo-nos, a estarmos longe, a sentirmos raiva e tristeza, a sentir saudade, a aproximarmo-nos e conhecermo-nos de novo. O fim ajudou-nos a dar outro rumo.

Ajudou-me a ver o que representas para mim. Nunca tive uma ligação assim com ninguém, portanto às vezes ainda não sei bem como ligar com isso. Às vezes é tudo demasiado arrebatador. Mas tu és sem dúvida o meu porto de abrigo, o meu melhor amigo, o meu... Eu quero dizê-lo mas não consigo. Ainda preciso de mais tempo. Sabes quando queres dar um passo em frente mas tens imenso medo de cair? Sinto a garganta presa quando quero dizer este tipo de coisas como "amor", "amo-te" ou "namorado". Sabes porquê? No fundo, tenho medo de trazer tudo de volta, tenho medo de ainda não estar a altura, tenho medo de não aguentar e de rebentar à mais pequena coisa.

Eu não digo essas palavras. Mas sei que os meus actos falam por mim e sei o que significo para ti, sei porque nunca foste embora e ficaste sempre, mesmo quando eu disse que não valia a pena, que não queria mais. Contra a minha vontade, nunca te afastaste o suficiente e foste ficando sempre. Eu ter-me-ia afastado se também o tivesses feito. Mas, a verdade, é que nunca te abandonei também.

E eu sei que entre nós há alguma coisa para além da grande amizade e atracção. Há mais, há muito mais. E sim, no fundo tenho medo que ao chamar "namoro" esteja a limitar aquilo que nós somos e nos voltemos a enredar numa relação sem rumo, sem novidade, sem nada, vazia. A mim não me interessa que nome lhe dou. Somos amigos e os amigos também podem ser isto. E eu sou feliz assim.

“There is always some madness in love. But there is also always some reason in madness.”

- Friedrich Nietzsche

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga! Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária. Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que se…