Avançar para o conteúdo principal
Sinto um turbilhão de sentimentos neste momento, tal como tu provavelmente. Tal como tu também sinto que desde há uns tempos para cá perdi a minha companheira e amiga. Nós éramos tão próximas e dávamo-nos tão bem. Eu não quero reter na minha mente as palavras, gestos, olhares que me magoaram. Mas queria plantar novos sentimentos, novas ações e novas sinergias entre nós. Se calhar tenho de me esforçar mais e talvez comece a tentar um pouco mais. Mas tenho medo que nunca venhas a acreditar em mim de verdade, tenho medo que nunca te orgulhes de mim de verdade, tenho medo que eu nunca traga nada de bom à tua vida. Quando na verdade eu gostava que algumas coisas que eu faço te fizessem feliz, te fizessem sorrir, te fizessem brilhar os olhos...

Sabes, quando me compras algo ou me dás uma prenda, eu fico contente, mas há sempre um pensamento na minha mente: "Não era isto que eu queria, eu queria sentimentos, sorrisos, felicidade, não uma tshirt/carteira/etc".

Tenho medo que tudo o que eu sou e tudo o que eu possa vir a ser não seja nada para ti, tenho medo que, seja qual for o meu trabalho ou o caminho que eu escolha para mim, tu aches sempre que é um trabalho sem sentido e o caminho errado. Tenho medo que nunca mais gostes da pessoa que eu sou e tenho medo que apesar disso eu não consiga mudar.

Tenho vergonha de todas as coisas que eu gosto de fazer quando estou contigo, porque sei que tu as achas erradas, estúpidas e sem sentido nenhum. Tenho vergonha de quem sou e inveja de tantas outras pessoas de quem tu gostas, a quem dás atenção e que admiras.

Eu deveria ignorar todos estes sentimentos (normalmente escondo-os, mas devia ignorá-los, ultrapassá-los) porque dessa forma permitia-me a mim própria partilhar mais coisas contigo, coisas que se calhar iam mudar a forma como me vês e como vês o meu trabalho profissional/voluntariado. 

E, às vezes, acredito mesmo que tudo isto está assim por minha causa. Mas se achares isso, por favor acredita que as coisas que eu faço e te magoam não são com intenção, não é por mal, não quero por nada deste mundo magoar-te.

Sinto que nunca vou ser suficientemente boa para ti, nunca tenho sucesso, nunca faço nada bem, nunca estou certa. Sinto-me um peixe fora de água que nunca faz nada como deve.

Sinto-me sozinha, às vezes. Fui eu que me afastei? Foste tu? Fomos ambas? Não sei. Sei que, muitas vezes, entro em casa e penso que vivo sozinha, é verdade. Eu não quero falar das minhas coisas, por isso não tenho muito assunto para conversar a não ser as coisas banais.Eu não quero falar sobre mim, porque eu faço tudo mal. Não quero abrir a boca e ter mais um dedo apontado. Eu não quero.

E, neste momento, só me apetece esconder, desaparecer e voltar transformada numa pessoa que tu admires e gostes. Mas não consigo fazer isso.

Eu quero esforçar-me e vou fazê-lo. Eu vou tentar corrigir os erros que hoje me apontaste e que eu sei que posso melhorar e que, na verdade, não custam muito. São erros de descuido, não são erros por não te amar ou não me preocupar. Mas posso fazer melhor. Mas, de alguma forma, não consigo parar de pensar que, mesmo que eu vá mudando algumas coisas e melhorando alguns aspetos, nunca... nunca vais voltar a olhar para mim da mesma maneiras, nunca te vais orgulhar de mim, nunca vais admirar o meu trabalho...Só me ocorre que será sempre assim, que aos teus olhos farei sempre tudo mal, tomarei as decisões piores, farei as coisas mais vergonhosas, que serei sempre uma errante.

Não quis com isto criticar-te ou julgar-te, apenas dizer o que sinto. 
Não tens de mudar as tuas atitudes e comportamentos, porque nada disto é tua culpa. São só coisas que eu sinto e tenho de ultrapassar.

Desculpa.
Adoro-te.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …