Avançar para o conteúdo principal

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns exemplos.
Para começar eu não sou psicóloga. Queria muito dizer que sou e trabalhar como psicóloga. Mas não sou. Não fiz o estágio de acesso à Ordem e por muito que para todas as pessoas que me rodeiam o facto de eu ter terminado os estudos em psicologia signifique que eu sou psicóloga, não sou nem sinto que o seja e não me sinto bem em dizer que sou. 
Depois, as situações que escrevi anteriormente, podem todas elas ser verdade e ter acontecido com determinada pessoa, não têm de ser verdade para toda a gente. Há crianças com pais separados que se comportam de uma maneira e outras de outra. Há pessoas que fumam erva a vida inteira sem problemas e outras não. Há coisas que os filhos fazem iguais aos pais outras não. Não é por o meu pai ser alcoólico que eu também vou ser. Etc e tal. Há um infinito de possibilidades para o que se vai passar na vida de cada um, as coisas não são assim tão linear e eu, que não sou psicóloga não tenho que saber tudo. Principalmente se não sou eu que acompanho o caso da pessoa em causa e, portanto, não tenho o conhecimento para saber o que realmente se passa. 

E, já agora, se eu fosse psicóloga, ser psicóloga era a minha profissão, não significa que eu tenha que ser psicóloga noutras áreas da minha vida, comportar-me sempre de forma como um psicólogo se comportaria em contexto profissional e ter sempre a atitude mais adequada, assertiva, etc. Fora do trabalho, os psicólogos são pessoas como todas as outras: têm problemas, choram, riem, dizem coisas desadequadas, têm comportamentos corretos e outros nem tanto, dizem palavrões, chateiam-se, etc.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Pequenas mudanças

Desde o início do ano que ando mais focada em minimizar a quantidade de lixo que produzo e, ao mesmo tempo, optar por opções naturais para diferentes situações.
Sim, nós produzimos muito lixo com as coisas mais simples. Agora cada vez que olho para o meu caixote do lixo, fico a pensar "porquê?", não há razão para tanto lixo, tanto plástico, tanto papel. Principalmente, quando vou às compras, chego a casa e arrumo tudo, retiro das embalagens (de papel ou plástico) e zás, lixo! Sem dar por ela, já está o lixo cheio, assim, sem mais nem menos.
Por outro lado, se tenho alternativas naturais para alguns produtos que compro, porque não utilizá-las? E algumas são mesmo a coisa mais simples do mundo. Eu fiz a minha primeira pequena mudança e estou contente. Penso que nos próximos tempos não vou comprar mais produtos para limpar a casa (excepto chão). Ainda tenho em casa alguns produtos que ainda não decidi se os uso até acabar ou se deixo de parte para alguma "emergência". M…

Sou e não sou

Posso parecer, mas não sou.
Não sou forte. Não sou de pedra. Não sou fria, nem insensível.
Posso parecer, mas não sou. Emociono-me com uma simples frase, dita no momento certo. Sou capaz de chorar no filme, menos lamechas, porque me identifiquei com algo que aconteceu. Por mais que me habitue a despedidas, continuo deixar cair uma lágrima nesses momentos.
Posso parecer, mas não sou. Posso não chorar à tua frente. Pode parecer que não me importo.
Pode não parecer, mas tenho sentimentos. Posso entender as tuas razões, mas não abandonar as minhas. Posso entender-te, mas continuar a querer que me entendam a mim.
Posso parecer dura, mas também quebro. O meu saco também enche. A minha paciência também se esgota. O meu amor é livre, mas também se cansa.
Não sou fria, mas vou aprendendo a afastar-me quando é preciso. Não sou insensível, mas sei respeitar o teu espaço. Não sou de pedra, mas sei fingi-lo, se necessário para preservar o meu mundo. Não sou forte, mas aguento o que me aparecer, mesmo sem acreditar que…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!