Avançar para o conteúdo principal
Existem momentos em que a nossa vida muda, mas muda radicalmente, de maneira que perdemos o controlo total, pelo menos por instantes, do rumo a seguir.
Tudo mudou e eu já nem sequer reconheço quem sou, porque tudo o que tinha de mais valioso e mais próximo de mim se transformou. Parece que perdi o chão e sinto-me perdida. Sei que o adjectivo perdida tem uma conotação um tanto ou quanto negativa, apesar de, às vezes, reconhecer e sentir na pele esse valor prejorativo, também lhe encontro um valor enriquecedor. Sinto-me perdida porque não sei nada. E não sabendo nada, estando de mãos vazias, eu sou acima de tudo livre. E sinto-me acima de tudo eu.
E nos meus momentos sós, que últimamente têm sido mais, porque a vida o quis e eu, às vezes, escolho, fico a olhar o mar em toda a sua fúria nestes dias frios de Outono, ou ligo o meu rádio ao e ouço os 80 e 90, fico ali a curtir o meu som, a minha onda, aproveitando esta droga que me transporta para um mundo para lá do real onde a minha cabeça viaja sem pousar em lugar algum, dando-me, no final, a sensação de leveza e paz; outras vezes de vazio. A música é uma droga legal que conduz a nossa mente e corpo para um extase diferente, para uma plenitude que está além do que fisicamente existe.
Nestas alturas em que estamos sós, procuramos a solução no sitio errado. Procuramos o prazer fácil, algo que nos distraia, que nos ocupe e que ao mesmo tempo nos faça sentir bem. Pode ser passageiro, não interessa, desde que naquele momento exacto nos eleve, nos leve ao auge. Que interessa como vou estar amanhã de manhã, desde que este dia, esta tarde, esta noite tenha valido a pena. A pior parte é que, apesar de tudo saber tão bem, nos estamos a enganar a maior parte do tempo, pois sabemos que daqui a nada esse prazer acabou, está fora.
Há uma necessidade de esconder o que realmente está dentro de nós dos que nos rodeiam. Até porque não sabemos como deitar os sentimentos cá para fora. É um emaranhado de sentimentos confusos, interligados, rompidos, torcidos e quebrados a explodir aos poucos no noso interior e teimando em não sair. Porque, como dizer que sentimos falta de um pouco de amor e carícias, mas que queremos mais do que tudo a nossa liberdade?Que desprezamos compromisso, porque é mais fácil, porque nos facilita a vida, porque não temos com que nos preocupar, porque estamos cansados? E, no fundo, a ideia de uma relação estável também nos agrada, porque existe sempre alguém a quem pedir um carinho ou, sem o pedir, o recebemos.
Porém, há sempre um orgulho maior, um medo gigante de arriscar outra vez, de mergulhar de cabeça nesse turbilhão que é o amor. Porque é mais fácil saltar em grande para um noite de pura diversão sem pensar em mais nada. Apesar de amanhã acordar, abrir os olhos e estar só; mas ter mais um dia, sempre diferente e sempre igual. Para ligar o meu rádio, ouvir a minha música, lembrando tudo, reconhecendo que aquele pequeno momento valeu a pena, foi bom, pegando no pincel, aproveitanto a inspiração da aventura que já passou e saber que este dia será mais um para me conhecer melhor, para me encontrar e chegar mais perto do que procuro.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …