Avançar para o conteúdo principal

Curso de Verão 1 - Poder dizer, Dever dizer, Gostar de dizer


Começou por nos ser pedido que escrevêssemos num lado de uma folha o seguinte: poder dizer, dever dizer e gostar de dizer; do outro lado tínhamos de escrever quase sempre, quase nunca e com frequência e depois fazer a ligação com os dois lados, tipo correspondência. Apesar de ter feito a ligação de maneira diferente, afirmei que acreditava que geralmente as pessoas dizem aquilo que devem dizer, isto porque estamos rodeados de pessoas que gostam de nós e esperam determinadas coisas de nós e nós como gostamos delas queremos corresponder às suas expectativas e, portanto, acabamos por dizer exactamente o que querem ouvir. Se me incomoda esse facto, sim!
Então aquilo que dizemos e a forma como o dizemos é influenciado por pessoas, contextos, situações e conteúdos. Centrando-nos no último tópico podem ser emoções\sentimentos, juízos\opiniões e\ou factos. Para começar os portugueses têm dificuldade em exprimir sentimentos, pois foi assim que foram habituados desde sempre e é algo que vai passando de geração em geração. Até há pouco tempo, um homem que fosse realmente homem não chorava nunca, fosse em que circunstância fosse. Por outro lado, tendemos a confundir muitas vezes sentimentos com juízos e ao enunciarmos emoções estamos, na verdade, a enunciar opiniões. Também um erro importante que cometemos a maior parte das vezes é o facto de estarmos mais atentos a aspectos negativos do que positivos e, portanto, criticamos mais facilmente do que elogiamos. Hoje em dia ainda é difícil  ouvir um pai dizer a um filho que o ama ou vice-versa. Mas vemos muitos pais a exigir imenso dos filhos criticando, reparando os seus erros e esquecendo ou pelo menos não gratificando os seus triunfos e o mesmo para os filhos. É mais fácil, mas também é mais fácil apontar o dedo ao outro.
E, talvez seja um ponto adequado para introduzirmos a temática concreta da comunicação assertiva. Disse o professor António Fonseca que acredita que uma comunicação assertiva parte dos factos, segue para os juízos e termina na expressão de sentimentos. O grande ponto que diferencia a comunicação assertiva da comunicação agressiva é o facto da primeira começar pelo "eu" e a segunda começar com "tu". O facto de se começar uma frase com "Tu" passa uma sensação de ataque para o outro que o leva automaticamente a defender-se e reagir porque está a ser exposto. Enquanto que, começando a frase com o "Eu", somos nós próprios que nos estamos a expor e como não ataco o outro, ele estará mais disponível para o ouvir a informação que eu quero passar. Parece simples não é? Então, porque comunicamos tantas vezes de forma agressiva? Porque os outros nos obrigam a isso, pois também comunicam agressivamente e muitas vezes levam-nos ao limite; porque nós não sabemos gerir certas e determinadas situações; porque existe um acumular de situações (stress); porque não sabemos comunicar de outra forma (acontece com muitas pessoas); e por último, o nosso estado emocional. Porém, é bom lembrar a importância da comunicação nas relações interpessoais o pode ser visível no facto de cerca de 80% das rupturas nas relações se deve à comunicação ou falta dela.
Termina o professor dizendo que com frequência, então, dizemos aquilo que devemos dizer, porque não perturba e diz respeito àquilo que é socialmente aceite e esperado. Às vezes é adequado dizermos aquilo que podemos dizer, pois em determinados contextos\situações ou com determinadas pessoas estamos seguros de que realmente podemos dizer aquilo; não deveríamos ser tão convenientes e deveríamos forçar um pouco a dizer aquilo que gostamos de dizer e que naquele momento podemos, ou seja, não devemos ter tanto medo do impacto daquilo que vamos dizer, pois se nunca o dissermos não saberemos o que poderá mudar e até mudar, nomeadamente nas nossas relações pessoais. Raramente usamos o "eu", ou seja, raramente dizemos aquilo que gostaríamos de dizer,  precisamente por não sabermos o impacto que terá no outro e portanto ficamos em silêncio, adiamos ou utilizamos outros meios como a escrita (que eu também utilizo normalmente, devido à minha incapacidade de expressão, enfim...). Usamos estes métodos para contornar a dificuldade de dizer olhos nos olhos aquilo que gostaríamos de dizer a quem está à nossa frente. Por outro lado, dizer sempre aquilo que gostaríamos não seria razoável, pois seria como andar despido, estaríamos fragilizados e não teríamos as nossas defesas, nem intimidade.
Em suma, a ideia é de que devemos arriscar mais um pouco e não nos ficarmos apenas por aquilo que devemos dizer; por outro lado, tentar ser assertivo na nossa forma de comunicar com os outros: começando as frases com "Eu", partindo de factos - juízos - sentimentos.

Foi um curso muito interessante e que me ajudou muito, visto que sinto muitas vezes dificuldade em comunicar assertivamente e muitas vezes até em comunicar apenas, seja de que maneira for. Fica o desafio de tentar fazê-lo mais vezes e espero consegui-lo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga! Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária. Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que se…