Avançar para o conteúdo principal

Onde está a ética dos veterinários?


Não entendo como num mundo que dizemos tão evoluído continuamos a ver os animais como seres inferiores ao ser humano e que, portanto, não são portadores dos direitos mais básicos que o ser humano reconhece instintivamente para si. Se no outro dia eu tivesse visto um senhor no meio da rua ferido e tivesse chamado um ambulância, esta teria vindo imediatamente (ainda que pudesse demorar algum tempinho...), porque obviamente estava uma vida em jogo. Mas não, o que eu vi no outro dia foi um gato ferido, com o pescoço aberto e ferido numa pata, magro, fraco, apenas cheirava os meus dedos que tentavam chegar-lhe. Não tinha dinheiro, nem manta, nem nada. Ia a passar e vi-o. Inês, vamos lá. Primeira tentativa, liguei para a veterinário do meu gato a pedir ajuda, mas como estão longe deram-me o contacto de um veterinário mais próximo. Ok. Segunda tentativa: Clínica XX "Boa tarde, estou a ligar-lhe porque encontrei um gato aqui na Rua XX, está ferido e fraco e eu queria fazer alguma coisa, ajudá-lo", "Pode pegar numa manta e trazê-lo ou pô-lo numa caixa", "Olhe, eu estou no meio da rua e não tenho nada comigo, além disso tenho medo de o magoar visto que ele está muito ferido, será que como é aqui perto não podem vir cá buscá-lo?", "Pois, é complicado, só se o trouxer numa manta ou caixa, sabe nós não podemos salvar todos os animais de rua". Revolta! Eu não lhe estava a pedir para salvar todos os animais de rua, estava a pedir para salvar um, porque estava num estado muito mau, mas a resposta que tenho é sempre a mesma: "Se a menina se responsabilizar por ele e pela consulta e tratamentos...". Noutra altura talvez o fizesse, mas era-me mesmo impossível, não tinha como responsabilizar-me por aquele gatinho e fico revoltada comigo mesma.

Porém, questiono-me onde está a ética dos veterinários? Talvez fosse uma disciplina que deveria ser mais rigorosa quando estão a tirar o curso. Não lhes ensinam que os animais têm direitos e merecem respeito, tal como nós? Não lhes ensinam a fazer o melhor possível e a tentar salvar os animais que forem possíveis, tal como se faz nos hospitais? Não lhes ensinaram a não negar tratamento a um ser frágil e necessitado? Mas que raio afinal é que aprendem? A ser máquinas? A só verem o lucro?
Continuo a perguntar-me o que lhes teria custado viram ajudar a pegar no pequenito e levá-lo para a clínica, dar-lhe banho, comida e água, desinfectar os ferimentos e deixá-lo repousar sossegado por uma noite? Já não pedia mais. Talvez depois eu pudesse ajudá-lo de outra forma. Talvez ele depois conseguisse recuperar por si. Talvez, agora não sei dele. E o que me custa é que provavelmente a veterinária que me atendeu já nem se lembra dele. Perdoa-me.

Comentários

Mafalda disse…
Inês ao ler o teu texto, revi-me por completo.também eu vi um gato na rua, e tentei por tudo salvá-lo, mas a veterinária "Animal Care" no Padrão da Légua pura e simplesmente não quiseram saber! Paguei 110 euros, por um gato que não era meu, e como não pude pagar mais, deixaram-no morrer. Durante dois dias nâo dormi, e ainda cheguei a ir là reclamar a falta de "carinho" que tiveram. Só e apenas dinheiro. Como eu te percebo...na altura também escrevi no meu blog...para acalmar talvez. Revolta e sobretudo magoa viver num paìs assim

Mensagens populares deste blogue

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga! Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária. Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que se…