Avançar para o conteúdo principal

Onde está a ética dos veterinários?


Não entendo como num mundo que dizemos tão evoluído continuamos a ver os animais como seres inferiores ao ser humano e que, portanto, não são portadores dos direitos mais básicos que o ser humano reconhece instintivamente para si. Se no outro dia eu tivesse visto um senhor no meio da rua ferido e tivesse chamado um ambulância, esta teria vindo imediatamente (ainda que pudesse demorar algum tempinho...), porque obviamente estava uma vida em jogo. Mas não, o que eu vi no outro dia foi um gato ferido, com o pescoço aberto e ferido numa pata, magro, fraco, apenas cheirava os meus dedos que tentavam chegar-lhe. Não tinha dinheiro, nem manta, nem nada. Ia a passar e vi-o. Inês, vamos lá. Primeira tentativa, liguei para a veterinário do meu gato a pedir ajuda, mas como estão longe deram-me o contacto de um veterinário mais próximo. Ok. Segunda tentativa: Clínica XX "Boa tarde, estou a ligar-lhe porque encontrei um gato aqui na Rua XX, está ferido e fraco e eu queria fazer alguma coisa, ajudá-lo", "Pode pegar numa manta e trazê-lo ou pô-lo numa caixa", "Olhe, eu estou no meio da rua e não tenho nada comigo, além disso tenho medo de o magoar visto que ele está muito ferido, será que como é aqui perto não podem vir cá buscá-lo?", "Pois, é complicado, só se o trouxer numa manta ou caixa, sabe nós não podemos salvar todos os animais de rua". Revolta! Eu não lhe estava a pedir para salvar todos os animais de rua, estava a pedir para salvar um, porque estava num estado muito mau, mas a resposta que tenho é sempre a mesma: "Se a menina se responsabilizar por ele e pela consulta e tratamentos...". Noutra altura talvez o fizesse, mas era-me mesmo impossível, não tinha como responsabilizar-me por aquele gatinho e fico revoltada comigo mesma.

Porém, questiono-me onde está a ética dos veterinários? Talvez fosse uma disciplina que deveria ser mais rigorosa quando estão a tirar o curso. Não lhes ensinam que os animais têm direitos e merecem respeito, tal como nós? Não lhes ensinam a fazer o melhor possível e a tentar salvar os animais que forem possíveis, tal como se faz nos hospitais? Não lhes ensinaram a não negar tratamento a um ser frágil e necessitado? Mas que raio afinal é que aprendem? A ser máquinas? A só verem o lucro?
Continuo a perguntar-me o que lhes teria custado viram ajudar a pegar no pequenito e levá-lo para a clínica, dar-lhe banho, comida e água, desinfectar os ferimentos e deixá-lo repousar sossegado por uma noite? Já não pedia mais. Talvez depois eu pudesse ajudá-lo de outra forma. Talvez ele depois conseguisse recuperar por si. Talvez, agora não sei dele. E o que me custa é que provavelmente a veterinária que me atendeu já nem se lembra dele. Perdoa-me.

Comentários

Mafalda disse…
Inês ao ler o teu texto, revi-me por completo.também eu vi um gato na rua, e tentei por tudo salvá-lo, mas a veterinária "Animal Care" no Padrão da Légua pura e simplesmente não quiseram saber! Paguei 110 euros, por um gato que não era meu, e como não pude pagar mais, deixaram-no morrer. Durante dois dias nâo dormi, e ainda cheguei a ir là reclamar a falta de "carinho" que tiveram. Só e apenas dinheiro. Como eu te percebo...na altura também escrevi no meu blog...para acalmar talvez. Revolta e sobretudo magoa viver num paìs assim

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …