Avançar para o conteúdo principal

Voluntariado

Já o disse e também já ouvi dizer e, realmente, acredito. Voluntariado é um forma de estar na vida, é um estilo de vida e, até agora é um estilo de vida que se ajusta a mim, serve-me, sinto-me bem com ele e não sei muito bem viver sem ele.
Infelizmente, não posso permanecer para sempre em todos os sítios, mas lembro-me deles e sinto-me sempre ligada a eles, não me esqueço. Das duas instituições onde estive guardo recordações únicas e relações que espero que se mantenham sempre. Conheci pessoas com vidas completamente diferentes da minha, com mais ou menos dificuldades, com mais ou menos alegrias, mas com muita magia. Guardo todos no meu coração e pretendo continuar em contacto.
O ano passado comecei a fazer outro tipo de voluntariado. Acho que a minha vida mudou muito, tenho uma perspectiva muito diferente do mundo, graças a esta menina e à sua família e a todos os envolvidos na criação do Vencer Autismo. Comecei a fazer voluntariado com uma menina autista, seguindo o método Son-Rise. Pouco sabia sobre o autismo e desconhecia por completo o método - mas fiquei logo maravilhada! Até porque aqui é reconhecida a possibilidade de cura do autismo, coisa que nenhum médico em Portugal faz, porque se torna mais fácil colocar um rótulo e não esperar mais nada destas crianças... Mas como estão enganados! O método Son-Rise é talvez a coisa mais simples e humana que se pode fazer, claro que envolve algumas técnicas específicas, mas tem como base ir ao encontro da criança, aceitá-la e mostrar-lhe como o mundo pode ser belo e divertido! E acreditem ou não, mesmo a nós, pessoas que não têm autismo, abre-nos os olhos, faz-nos estar na vida de forma diferente e não só o conhecimento do programa como a relação com esta menina, única e especial, me mudam a cada instante, me fazem crescer e me fazem encontrar a alegria nas coisas mais simples, como ver os seus lindos e grandes olhos a encontrarem os meus enquanto me conta algo sobre a escola ou o seu sorriso maravilhoso quando fazemos ataques de cócegas. Um dia, quase me dava vontade de chorar numa das nossas actividades: num jogo de perguntas uma delas foi "o que é a família para ti?" ao que ela me respondeu "para mim a família... a família é um amor!", tão simples e tão verdade.
Há oportunidades na vida que nos surgem quando menos esperamos. E foi isso que me aconteceu com a Vencer Autismo, acabei por encontrar um grupo de pessoas fantásticas, meus amigos, pessoas que achavam que tinham de nos agradecer a nós, voluntários, pela ajuda que nós estávamos a dar, quando afinal, acredito, que nós, voluntários, é que temos de agradecer por tudo o que nos fizeram crescer e aprender, por esta oportunidade fantástica de ser parte de algo novo, preciso e importante em Portugal. Porque é preciso derrubar muros, deixar os rótulos de lado, destruir preconceitos e ideias que estão já há muito tempo enraizadas na cabeças de tantos profissionais de saúde. É preciso sair da caixa, abrir os olhos. O método Son-Rise, não tem nenhuma contra-indicação, não utiliza medicamentos, apenas necessita de muito amor por estas pessoas super especiais, que tantas vezes são mal interpretadas. 






Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga! Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária. Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que se…