Avançar para o conteúdo principal

Governo baixa IVA aplicado ao golfe para seis por cento - Economia - PUBLICO.PT


A verdade é que cada vez entendo menos. Bem sei que não percebo muito de política, mas acho que todos temos um pouco de bom senso ou pelos menos gostava de acreditar que sim. Mas, infelizmente, começo a perceber que não.
Faz-me um pouco de impressão como o governo aumentou o valor do IVA em tantas coisas, como alimentos e medicamentos, que são importantes e necessários para todos, e depois tem estas brilhantes ideias de baixar o IVA no golfe. Mas qual é a lógica deste raciocínio? É que eu não estou a conseguir alcançar, talvez seja problema meu, mas duvido. Porquê baixar o valor do IVA aplicado ao Golf? Para que os coitadinhos que o praticam não tenham tanta despesa? Sim, porque o golf é um desporto de pobres (ou não).
Mas o que ainda me espanta mais é que esta notícia aparece depois de o governo anunciar mais medidas de austeridade ou o famoso PEC4 ou 5 ou seja lá que número for... que é tudo uma grande treta porque quando se vai olhar par as despesas do governo, deputados, presidentes da répública, etc, vemos que são todos uma cambada de ladrões, que para além de terem tudo pago (cafés, deslocações, qualquer gastinho que tenham que se possa relacionar com as suas actividades) ainda recebem o seu e mais umas transferências e uns extras relativos a não se sabe bem o quê, mais dinheiro relativo a serviços técnicos e especiais (seja lá o que isso for...).
Portanto, não venham cá com medidas de austeridade para o povo, porque quem manda tem de dar o exemplo. É como educar um filho, não podemos exigir que faça as coisas bem se estamos sempre a dar maus exemplos! As medidas de austeridade deviam ser em primeiro lugar para esses senhores que nunca na vida tiveram de pensar no que haveriam de dar de comer aos seus filhos quando abrem o frigorífico e ele está vazio, bem como a carteira! Que nunca tiveram contar os centimos e juntar todas as moedinhas pretas para comprar o pão que será o almoço naquele dia! Que nunca tiveram de ir pedir ajuda a instituições porque não conseguem controlar mais a situação financeira! Que nunca tiveram de deixar as suas casas porque não têm mais dinheiro para a pagar! Que nunca tiveram de deixar de estudar para poderem ajudar a família a pagar as contas! Ou que nunca tiveram de deixar de estudar porque a bolsa do estado não chega a tempo ou é mínima! Que nunca tiveram de trabalhar dia e noite, sem ver a família, para que esta tenha comida na mesa todos os dias! Porque só sabem aplicar medidas e mais medidas, porém nenhum deles sabe o que é estar na nossa pele e pensar se o dinheiro vai chegar ao fim do mês! Porque são eles que falam de uma realidade que não conhecem, mas nós é que a temos de a viver!
É vergonhoso, mas penso que também já perceberam o descontentamento do povo depois das grandes manifestações de dia 12 e depois da escolha dos Homens da Luta para ir representar Portugal lá fora, no Festival da Eurovisão.
Afinal desde a que foi chamada de "Geração Rasca", há uns anos atrás, nunca deixou de existir, mas foi-se arrastando até aos dias de hoje. E a esses juntamo-nos nós todos, mais uma geração, mas somos todos iguais, estamos todos "à rasca".
Mas à rasquinha, ainda assim, lutamos.

Comentários

Mafalda disse…
Gosto muito deste texto. primeiro porque gosto de política e segundo porque odeio este governo :)
Neste "belo" país não gasta-se mal, gere-se mal e governa-se mal!
em vez de baixarem o IVA do pão, manteiga e outros bens essenciais não... vamos investir no... golfe. enfim!
Felizmente e Sócrates tomou uma atitude decente! A DEMISSÃO! XD

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …