Avançar para o conteúdo principal
" Depois de cerca de 10 dias em Itália, a Depressão e a Solidão acabam por me encontrar. (...) 
Mas quando páro e me apoio numa balaustrada para admirar o por-do-sal, acabo por pensar demais e os meus pensamentos tornam-se sombrios, e é então que as duas me encontram.
Aproximam-se de mim, silenciosas e ameaçadoras, como detectives particulares, e cercam-me - a Depressão pela esquerda, a Solidão pela direita- Nem sequer precisam de me mostrar os seus distintivos. Eu conheço-as muito bem. Há anos que temos brincado ao gato e ao rato. Embora eu reconheça que estou surpreendida por encontrá-las neste elegante jardim italiano, ao entardecer. Elas não combinam com este lugar.
Pergunto-lhes: Como me encontraram aqui? Quem vos disse que eu tinha vindo a Roma?
A Depressão, sempre armada em espera diz: Como assim, não estás feliz por nos veres?
"Vão embora" , digo-lhe.
A Solidão, a mais sensível das duas, diz: Desculpa, mas eu talvez precise de seguir a tua sombra durante toda a viagem. É a minha missão.
"Eu preferia que não fizesse isso", digo-lhe, e ela encolhe os ombros, quase a pedir desculpas, mas aproximando-se mais.
Então, elas revistam-me. Esvaziam os meus bolsos de qualquer alegria que eu trouxesse. A Depressão chega a confiscar a minha identidade; ela faz sempre isso. Então, a Solidão começa a interrogar-me, coisa que detesto, porque dura sempre horas. Ela é educada, mas implacável, e acaba sempre por me encurralar. Pergunta se eu acho que tenho algum motivo para estar feliz. Pergunta por que estou sozinha esta noite, outra vez. Pergunta (embora já tenhamos passado por este interrogatório vezes sem conta) por que não consigo manter um relacionamento, por que arruinei o meu casamento, por que estraguei tudo com David, por que estraguei tudo com todos os homens com quem já estive. Pergunta-me onde eu estava na noite em que completei 30 anos e por que as coisas azedaram tanto desde então. Pergunta por que acho que mereço umas férias em Roma, quando transformei a minha vida num verdadeiro caos. Pergunta por que acho que fugir para Itália como uma estudante universitária me vai fazer feliz. Pergunta onde acho que vou estar quando ficar velha, se continuar a viver assim. Volto a pé para casa, à espera de me conseguir livrar delas, mas elas continuam a seguir-me, essas duas capangas. A Depressão segura-me firme pelo ombro e a Solidão bombardeia-me com o seu interrogatório. Não tenho sequer forças para jantar; não quero que elas fiquem a espiar-me. Também não quero que subam as escadas até ao meu apartamento, mas conheço a Depressão, e sei que ela carrega um cassetete, então não há como impedi-la de entrar, se ela decidir que quer fazê-lo.
"Não é justo vocês virem aqui", digo à Depressão, "Já vos paguei tudo. Já cumpri a minha pena em Nova Iorque."
Mas ela dá-me, simplesmente, aquele sorriso sombrio, acomoda-se na minha cadeira preferida e acende um charuto, enchendo o aposento com a fumaça desagradável. A Solidão olha para aquela cena e suspira, em seguida deita-se na minha cama e cobre-se, inteiramente vestida, de sapatos e tudo. Estou a sentir que me vai obrigar a dormir com ela, novamente, esta noite."

Comer, Orar e Amar , Elizabeth Gilbert
É qualquer coisa dentro deste género. E, sim, sinto também que me vai obrigar a dormir com ela esta noite. Mais uma noite. Mas uma noite destas vou zangar-me e expulsá-las da minha vida. Não são boa companhia.

Comentários

Nuno Medon disse…
olá! Espero que a tristeza, momentânea ou não, acabe por te deixar em paz. Muitas vezes também me sinto triste, mas por razões bem leves, mas a seguir tudo passa. As melhoras do teu pé, que espero que já esteja melhor e as tuas melhoras, quanto aquilo que sentes, dentro de ti. beijos e porque hoje é Domingo, desejo-te um bom descanso. beijos

Mensagens populares deste blogue

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga! Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária. Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que se…