Avançar para o conteúdo principal

Famílias

Hoje, enquanto caminhava de manhã, pus-me a pensar nas variadas famílias que tenho e apercebi-me que ainda são algumas e que realmente, tenho de agradecer e sentir-me feliz pelas pessoas que tenho a meu lado e me apoiam. Tenho a Família-Família (família de casa, família alargada, pai - separado por vive fora), Família-Amigos (Universidade, Amigos de Anos), Família-Namorado (namorado, família do namorado), Família-Voluntariado (VencerAutismo), Família-Clube (algumas pessoas que marcaram quando treinava remo) e Família-Blog.

Família-Família: A família de cá de casa sofreu várias transformações e tremeu bastante quando comecei esta nova relação, não vou falar muito sobre isso porque já chega, apesar de ainda perdurarem algumas marcas. Mas estamos de novo unidos, não como dantes, ainda tenho o pé atrás em certas situações e noutras que me sinto pouco à vontade. Porém, sei que posso sempre contar com a minha mãe e o meu irmão. Às vezes passo algum tempo sem ver algumas pessoas da família mais alargada, mas cada vez que estamos juntos há harmonia e alegria e isso faz-me sentir muito bem, não são meus confidentes, mas há uma ligação forte. Quanto ao meu pai, acho que temos uma ligação estranha muito forte. Diria relação amor-ódio, mas ódio é muito forte. A verdade é que muitas vezes lembro os erros que o meu pai fez no passado. Só que agora lembro-os sem tanta mágoa, lembro-os apenas e lembro aquilo que cresci e aprendi. E somos muito, muito próximos, talvez seja das pessoas que mais me conhece e que eu sinto que me apoia em tudo, mesmo nas coisas que faço e que não são o que ele idealizou.

Família-Amigos: Bem tenho amigos que sei que são para a vida e que estão e estarão sempre lá e por quem punha as mãos no fogo - são aqueles amigos que já conheço há anos, há 8 anos ou mais. E são maravilhosos e tenho muito que lhes agradecer. Não estamos sempre, sempre juntos, mas estamos sempre lá e quando nos juntamos estamos sempre bem. Mas também tenho bons amigos na universidade, apesar de ser outro ambiente, e de não me identificar com a maioria, também aqui encontrei uma "família". Um pequeno grupo no qual sinto encaixar-me e que me faz sentir bem lá, um grupo que me faz sorrir, com quem converso e a quem posso pedir refúgio nos dias piores. Um grupo de trabalho e um grupo de amigos.

Família-Namorado: O meu namorado é uma pessoa muito importante para mim pelo que sentimos um pelo outro e pelo facto de termos uma relação que eu nunca tive com ninguém. Sei que ele já, porque é mais velho e já teve relações muito importantes e marcantes, de viver em conjunto, casar, ter uma filha. Mas para mim é a primeira relação em que sinto que praticamente vivemos juntos, que fazemos vida em conjunto, que somos um casal mesmo. E é por si só minha família, meu amor, minha felicidade, meu abrigo, meu amigo. É uma pessoa especial. E com ele ganhei uma família nova. Uma filha emprestada que me parece mais irmã, porque temos idades próxima até, que pode confiar em mim e que eu tento ajudar e apoiar quando o pai se torna um chato de primeira (ahahah) - mas aqui tenho os meus limites, não é minha filha e em muita coisa, por mais que não concorde, posso dar a opinião, mas não interferir no papel de pai, mãe e avós. Ganhei uns pais novos - muito simpáticos -, principalmente, uma mãe super querida que sempre fala com um carinho enorme e que muitas vezes se esquece de si no meio dos filhos e netos e toda a gente (pessoa ou animal) que precisa de uma mãozinha - Talvez ela não saiba, mas eu admiro-a imenso, pelo que é interiormente e pela sua beleza e juventude na sua idade. Ganhei tias, principalmente uma, com quem sou mais próxima, muito talentosa, que faz peças (brincos, colares, pulseiras, etc) espectaculares e com ideias e filosofias de vida que eu admiro. Ganhei uma avó - muito bem conservada - pintora (adoro!!), que admiro muito. É um exemplo para mim, apesar de ser a típica avó muitas vezes "chatinha", mas um amor de pessoa. Ganhei irmãs e primos. Ganhei uma carrada de gente simpática que me acolheu de forma espectacular que eu nunca pensei (muito menos depois de ver a reacção da minha família a este namoro). Tenho aqui uma família fantástica.

Família-Voluntariado: é uma familia mágica. Desde a Carol - a menina com quem faço voluntariado - que super especial, linda, querida fantástica, que mostrou o mundo do autismo e todos os dias me ensina, me faz ser melhor e juntas pintamos o mundo das cores todas quando estamos as duas horas de voluntariado juntas. Passando pelos voluntários que são fantásticos e com quem me rio e me divirto muito e com quem acho que partilho uma ligação diferente e especial devido àquilo que nos une. Passando, pela pequena Mariana - irmã da C. - que me mostrou como uma criança tão nova pode ser tão crescida e consciente. Até à Susana e ao Joe, que me abriram as portas para este novo mundo do autismo e do Son-Rise que eu sei que mudou a minha vida para sempre e para melhor. Estas duas pessoas fantásticas, verdadeiras e lutadoras que são também um exemplo para mim.

Família-Clube: apesar de não treinar mais, infelizmente, não posso deixar de referir, porque foi muito importante. Importante o convívio em geral, mas importante  em particular o meu treinador. Acho que ele não sabe mas foi muito importante e tenho um carinho grande por ele. Sempre me animou e apesar de não falarmos especificamente das coisas sempre esteve lá. Sei que muitas vezes foi ele que me fez sorrir nos dias em que estava tudo mal e não me esqueço disso. Tenho saudades de ir ao clube, de treinar, de estar sozinha no barco no meio do rio.

Família-Blog: bem, tenho que considerar uma família porque daí tenho recebido muito apoio para um problema que me surgiu nos últimos tempos. Não é referente a este blog, mas a outro. É uma luta constante, mas a força de outras pessoas que já passaram e passam pelo mesmo ou que simplesmente deixam uma mensagem de apoio e carinho é muito importante e ajuda imenso.


Esta reflexão fez-me 'realizar' a quantidade de pessoas que tenho a meu lado e me apoiam. E a elas tenho muito que agradecer e nutro por elas um amor verdadeiro. 
Desejo-vos tudo de bom, muito amor e muita paz.
Obrigado por tudo, sou feliz com vocês! :)

Comentários

Mafalda disse…
Tenho descoberto os milagres do yoga através da Internet, mas estou a pensar seriamente em comprar alguns livros e descobrir mais sobre isso.
Ah! Identifico-me na sua generalidade com este texto, escreves com sentimento e sinceridade.

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …