Avançar para o conteúdo principal

A vida é todas as emoções (boas e más)!

Sim, tive uma merda de um fim de semana. (Claro que tive coisas boas, óbvio, mas sabem aqueles dias em que vemos tudo cinzento, pronto, é isso).
Tive um fim de semana de merda como já não tinha à muito tempo. Sinceramente senti-me a bater mesmo lá no fundo. Sempre tive "crises" deste género, aparentemente sem razão nenhuma, mas sim existe sempre um razão. Já não me sentia assim há muito tempo e dei por mim e dar com a cabeça na parede, a dar saltinhos de raiva, a gritar em silêncio, a querer desaparecer por simples magia, a querer fazer desaparecer toda a gente, a chorar compulsivamente, a sentir-me zero, nada ninguém, a não querer faltar, a querer estar sozinha, a querer dormir até mais não. Dei por mim a desistir. Dei por mim a pensar: "Chega, tenho de procurar ajuda!" (continuo a achar que só posso beneficiar de ajuda). Dei por mim a desistir mesmo. Foi um longo domingo negro.
E uma segunda-feira que se apresentava igualmente negra, mas que acabou por não o ser. Acordei com vontade para nada. Acordei com vontade de me deitar e dormir até mais não. Acordei com vontade de não ver ninguém e de comer (Óbvio!). E foi isso que fiz. Faltei a tudo aulas, visitas, voluntariado e fiquei em casa. Mas a certa altura algo mudou. Depois de comer milhentas coisas, de me sentir cheia e tal...Depois de ligar a porcaria da televisão que só serve para ficarmos colados a ela em vez de fazermos coisas muito mais importantes, algo mudou. Acho que foi quando liguei o rádio a altos berros e me pus a dançar feita tolinha cá em casa. Acreditem soube-me tão bem!!! (Dançar, dançar, dançar, fazer macacadas para mim própria, falar sozinha, rir-me sozinha... bem, foi um pouco de tudo)
E comecei a ficar mais activa, com mais energia e mais positiva. E estou bem. Acho que o que me acaba por tranquilizar sempre é que a vida também tem destes momentos menos bons, mas acima de tudo eu é que escolho o que fazer com esses momentos. Eles não são momentos maus, eu é que escolho que eles sejam. E, sim às vezes é dificil reconhecer isso, mas eu sei perfeitamente que escolhi sentir-me assim e viver um domingo negro. Se calhar precisava de o sentir, não sei. Mas acredito bem no fundo que foi escolha minha e que, provavelmente, demorei algum tempo a perceber que poderia escolher o contrário (apesar de o saber desde sempre). Eu sei que sempre haverão coisas que me vão deitar abaixo assim como outras que me vão levantar e fazer muito feliz. Sei que não passam de situações normais e que eu é que decido o que fazer com elas. Sei que posso não ver isso logo no momento, mas mais cedo ou mais tarde  faz-se luz e tudo muda. Eu sei disso, eu confio em mim e sei que posso escolher. Eu posso sempre escolher, em tudo na vida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …