Avançar para o conteúdo principal

Time to let it go and live free

Não sei o que dizer, nem escrever. Mas tenho de arranjar forma de tirar este nó do pescoço e este aperto do peito e mandá-los cá para fora.
A vida somos nós e no limite, sim, estamos sempre sozinhos e é sozinhos que temos de nos safar.
Desisto. Hoje desisto de ti e de pensar que sou sempre a culpada das nossas discussões. Desisto de me rebaixar, de me inferiorizar e de pensar que enquanto filha devo desculpar-te mesmo sem ouvir desculpas e fazer de tudo para fingir que as discussões não existem, para que tudo fique (ou pareça) bem. Desisto, faz-me mal e não me adianta de nada, porque não consigo chegar a ti. Não sei a culpa é minha mesmo ou não, não sei o que pensas, porque não falas comigo, não sei como raio é que podes pensar certas coisas sobre mim. Mas pensas. Ponto final.

Esta história já é velha. Estou cansada disto.
Vou, simplesmente, continuar a viver a minha vida, como se vivesse sozinha. Porque no fundo é como se assim estivesse - mentira é um dois em um horrível onde se junta pior de viver sozinho (sentir-se só, não ter ninguém) com o pior de viver junto (discussões, críticas, problemas). É triste, mas sinto-me cansada de tentar em vão e não percebo porque é que os meus defeitos ou erros (que todos temos e cometemos) são tão graves que te levem a ter uma atitude assim.

Não percebo o que te fiz para agires assim - histórias passadas para mim é no passado que ficam e já provei que as coisas mudaram. Acreditar nisso ou não é uma opção tua e já não depende de mim. Eu já te pedi desculpa, já me arrependi e já me desculpei.
Por isso, não percebo. E, se tu não me queres explicar, se não queres falar comigo, eu desisto de tentar perceber.

Já fiz o que tinha a fazer. Não estás disponível para falar, eu respeito e não te vou voltar a perguntar se queres falar. Não esperes de mim mais nenhuma atitude de tentar solucionar a situação. Não esperes de mim sorrisos e palavras queridas. Não esperes que eu esqueça e siga em frente, como das outras vezes, fingindo que não aconteceu nada. Aconteceu e não está bem. Mas eu já não vou tentar mais chegar a ti.
Está na hora de seres tu. Seres tu a procurar-me. Seres tu a pedir desculpa. Seres tu a tentar recuperar-me. Está na altura de mostrares que realmente te preocupas tanto como dizes. Está na altura de te levantares e procurares as evidências que mostram que a tua atitude não faz sentido. Está na altura de seres tu a dares o próximo passo e dares o braço a torcer.

E, sinceramente, perdido por cem, perdido por mil. Se a ideia que tens de mim é a que mostras ter, já não me importa sequer dar-te motivos para pensares o contrário. Tu pensas o que tu quiseres e, apesar de eu saber que tens muitas ideias erradas a meu respeito, problema teu - não tenho que estar a vender-te a realidade. Tu é que devias abrir bem os olhos. E, já não me interessa, se estás com problemas psicológicos ou whatever - não é desculpa!  Se não estás bem, gostava de te ajudar (e já tentei) a cuidares de ti, mas não te admito que me trates dessa forma e que a desculpa seja "não estares bem". Estar psicologicamente  desequilibrada não te dá o livre transito para tudo o que quiseres e não podes tratar dessa forma - ou podes, mas tens de te responsabilizar pelas consequências.

Eu desisito.
Quando quiseres melhorar a situação procura-me, pois até lá, vou limitar-me à convivência básica que terá sempre de existir entre nós, vivendo na mesma casa. Ficarei sempre à tua espera, mas sinceramente as minhas esperanças são poucas. Duvido que me procures, duvido que tentes mudar a situação, duvido que consigas admitir que estás errada. Tenho muitas dúvidas quanto a isso, mas já não depende de mim.

Tenho passado estes dias a reviver a discussão vezes sem conta na minha cabeça, sem conseguir compreender. Não consigo. Desisto.

Adeus.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …