Avançar para o conteúdo principal

Uma semana intensa e mágica

Começou de uma maneira brusca e assustadora. Sinceramente, tive vontade de fugir a sete pés, ao início. Foi um choque, não estava nos meus dias e não estava a contar com toda aquela confusão. Muita gente, miúdos a correr e agritar por todo o lado, muita informação a retar, dois putos para tomar conta... ai, alguém carregue no botão 'pause', please!

Mas, aos poucos, devagarinho... O grande susto e choque inicial foi-se transformando em à-vontade, amor e carinho por aquelas duas carinhas larocas, pelas quais estive responsável, em conjunto com uma amiga, durante toda a semana, 24h por dia. Tarefa fácil? Nem por isso! E acrescentem a isso, o facto de uma das crianças ter autismo... sim, torna-se mais desafiante... sim, torna-se mais especial e mágico, porque faz-nos encontrar a nossa capacidade de amar incondicionalmente, uma capacidade que, às vezes, esquecemos que temos.

Os dias começavam por volta das 7h20 e terminavam por volta das 22h e aquilo que foi uma semana pareceu, durante esse tempo, que tinha sido um mês.... e quando chegou ao fim, parecia que tinham passado apenas dois dias. O trabalho acabou ontem e já ontem eu sentia saudades.

Senti saudades dos pequenos, lindos olhares do J. (6 anos, com autismo), das suas gargalhadas fantásticas que contagiam toda a gente, da sua matreirice para perceber quando estamos distraídas e tentar tocar em todos os botões da aparelhagem ou dvd ou para abanar a televisão e quase fazê-la cair ou para beliscar o cão que só não o mordeu a sério porque acho que sabe que não é por maldade. Tenho saudades de ver J. todo feliz a nadar na piscina e a deitar-se como um senhor, na toalha, a secar. Tenho saudades de ir com ele ao WC e pô-lo a fazer xixi e festejarmos os dois, por ter feito um grande xixi na sanita. Tenho saudades dos playrooms e de todas as várias brincadeiras que fizemos lá dentro. Tenho saudades de o ver a levantar os braços para mim e procurar o meu colo. Tenho saudades de o ver comer com tanto prazer e felicidade. Tenho saudades dele, da sua magia e alegria. Tenho saudades dos "hummmmmmm" e dos "iiiiiihhhhhhhhhhhhh" e dos "brrrrrrrrrrrrrrr" que estava sempre a fazer. Tenho saudades do J. e adorei conhecê-lo e passar estes sete dias com ele.

Mas não só. Também tenho saudades do M. (4 anos), tenho saudades do cabelo loirinho, do sorriso malandro e da 'insolência' rebelde que tantas vezes me irritou um pouco. Tenho saudades de ouvi-lo cantar a sua versão do "gangam stáil" e de ouvir falar em línguas que nunca ouvi e que soavam a qualquer coisa deste género "mashtr roach ioscnarov"... Acho que ele se inspirou algures na língua russa. Tenho saudades de o ouvir tentar dizer palavrões e chamar a nossa atenção dessa maneira (eu sei que "não se deve" dizer palavrões, mas ele tinha tanta piada!). Tenho saudades de me sentar com ele na beira da piscina, tenho saudades de o ajudar a andar de bicicleta, tenho saudades de lhe dar banho e das pequenas birrinhas que fazia sempre... mas que depois, com um pouco de palhacice, se transformavam numa gargalhada linda. Tenho saudades de jogar a jogos de cartas sem sentido nenhum, mas que o faziam feliz.

Tenho algumas saudades de confusão, das pessoas todas juntas, do ritmo acelerado e de tudo isso. Foi um prazer conhecer toda a gente que sei que fizeram os possíveis para tornar esta semana o mais cómoda possível, acolher-nos da melhor maneira e ajudar-nos no necessário.
No final, fica o sabor de mais uma aventura, de mais uma experiência na qual aprendi imenso, cresci um pouco mais, dei muito de mim e recebi o mesmo ou mais em troca. Fica mais uma memórica louca de uma semana intensa e maravilhosa. Fica a memória daqueles dois pequenitos lindos a sorrirem, fica a memória de um amor e carinho que cresceu rápido e que ficará sempre guardado....

Obrigado a quem nos procurou para tomarmos conta do J. e do M. nesta semana, porque me deram uma oportunidade fantástica de crescer e aprender! Deram-me uma oportunidade de voltar ao essencial, de gastar e recuperar energia, de voltar a acreditar em milhares de coisas que me tinha esquecido, de voltar a sentir a força das mais pequenas coisas e lhes voltar a dar valor. Obrigado ao J. e ao M. por me ensinarem tanto em tão pouco tempo.... 

Acima de tudo, fica depois desta experiência, um enorme respeito por todos os pais de crianças com autismo ou diagnósticos similares, um respeito que já tinha e que cresceu nestes últimos dias. Porque, se têm um milagre lindo em casa, também têm, por vezes, um desafio (que pode ser fantástico!!!)... E percebo realmente que a atitude que o Programa Son-Rise tem por base ajuda imenso e é a chave para diminuir o desespero e a frustração que poderão sentir tantas vezes e aumentar o amor, a compaixão e a cumplicidade com a criança. Foram apenas sete dias e eu nada sei do que é ser pai ou mãe, mas tenho a certeza que se não tivesse as bases do programa Son-Rise, teria sido uma semana bem mais complicada!

Mas não foi... Terminei a semana feliz, realizada e com um brilhozinho nos olhos! :)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …