Avançar para o conteúdo principal

Ela.

Apaixonei-me. Foi isso. Demorei imenso tempo para perceber porque é que algo me afetava tanto, até perceber, que era paixão. Do género de paixão que acontece quando temos 14 anos, quando achamos que aquela pessoa é a tal e seremos felizes para sempre. Algo do género. Acho que foi isso que aconteceu com ela. Apaixonei-me, sem nenhum aviso prévio, simplesmente aconteceu. Talvez não quisesse que ficássemos juntas para sempre, numa relação. Acho que queria saber que eu seria para sempre única para ela, tal como ela será para mim, queria saber que a ligação seria sempre a mesma e estaria sempre lá. E não sei. E não saber mata-me. Porque cada vez que ouço o nome dela, o meu corpo treme e a minha mente tenta manter-se sem reação. Todo o meu corpo fica em estado alerta, a gritar silenciosamente "Calma! Calma! Está tudo bem! Não reagir! Não reagir!". Cada vez que a vejo, fico contente e apetece-me voltar ao início de tudo, ao momento em que a conheci. E ao momento em que nos beijámos. E quero voltar a fazê-lo. E depois dói. Toda a neutralidade que sempre a definiu. O ar de "não se passa nada" na cara, de "tanto faz".E todos os outros parecerem mais e melhores, e todos os outros conseguirem falar com ela e eu apenas conseguir arrancar um "olá, tudo bem?" e a conversa banal do tempo e sobre como vão as aulas ou o trabalho. Tudo o que eu arranco dela ou é banal ou é fogo. E o que dói é não saber se o que ela mostra é real ou é só aparência. Se é igual ao que eu sinto ou não. E não saber que resposta quero ouvir, se é que quero ouvir alguma. Se calhar não, se calhar queria só um beijo e um abraço. Ou um olhar de carinho do outro lado da sala que me deixasse saber que estamos juntas, que há algo que no une.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga! Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária. Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que se…