Avançar para o conteúdo principal

O dia em que fui apanhar mexilhões com o meu pai

Hoje lembrei-me de um dia em que fui apanhar mexilhões com o meu pai. Lembro-me de termos combinado isso, no dia anterior e quando ele me perguntou se eu queria ir, fiquei tão feliz. Imaginei logo uma grande aventura de pai e filha pelas no meio das rochas das praias da foz, com a maré vaza, a apanhar os mexilhões. Imagino e imaginei na altura que o meu pai também ficou feliz por eu querer ir, por ter companhia. Eu não era só a tua menina querida pequenina, era a tua companheira, a tua parceira, numa missão importante. Tínhamos de calçados, pelos menos com um chinelos ou sapatilhas velhas para não nos magoarmos ou escorregarmos. E tínhamos de ter atenção à maré que entretanto subiria. Mas aquele momento foi nosso e lembrar-me dele foi tão doce.
Lembro-me como se tivesse sido ontem (como dizemos sempre) e ao mesmo tempo parece-me tudo tão vago. Se calhar foi só uma memória de algo que nunca foi, mas que em alguma altura gostaria que tivesse sido.

Foto retirada de Mapio.net

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Há sempre uma razão.

Porque realmente cada pessoa entra na tua vida por alguma razão. Algumas às vezes só para te abrirem os olhos, mostrarem-te duas ou três coisas, para entretanto saírem da tua vida de novo. Seja porque na verdade nunca criaram uma ligação contigo, isso aconteceu apenas na tua imaginação; quer porque tudo aquilo que te mostraram foi fingido ou irreal. De qualquer das formas tu aprendes e isso é bom. Tens de agradecer a essas pessoas, ainda que possa ser frustrante muitas vezes. Até porque tu vês o enorme valor que elas têm e que não percebem que tu reconheces e eventualmente não te reconhecem a ti. Às vezes é triste, porque tu crias uma ligação forte com elas, que elas não vêm, não valorizam ou não conseguem corresponder. Mas não te esqueças, essas pessoas têm valor, ensinam-te coisas importantes... e tu também tens valor, por isso se eventualmente essas pessoas te fazem sentir menos ou em vez de te fazerem sentir mais te fizerem sentir a mais, tens o direito de desligar, dizer adeus co…

Coisas da vida.

Eventualmente a sexta feira vai chegar. Adeus trabalho, adeus stress, adeus tensão, adeus colegas de trabalho, divirtam-se, tenham um ótimo, fantástico fim de semana, com as vossas famílias e amigos, enquanto eu vou só ali e venho já, que é como quem diz "volto na segunda-feira" (mas é só porque tenho que voltar), vou ali esquecer tudo por momentos, esquecer até que vocês existem, que o trabalho existe, que por vezes fico tão frustrada e stressada que me apetece mandar tudo ao ar, fingir que não preciso disto, que não preciso de dinheiro para viver, para nada na verdade. Eventualmente a sexta-feira vai chegar, eu vou esquecer tudo isso. Eventualmente a segunda-feira também vai chegar e vou ter de viver tudo isso de novo, pelo menos enquanto não me der na cabeça desistir de tudo, e lançar-me a mais uma aventura.