Avançar para o conteúdo principal

The trick.

There is always something. Something missing, something too much. Something here, something there. My life has been like this since ever. Probably all lives are like this, then it depends on how you look at it. My friends would say I’m a chilled person and I believe I am too, but then, there is this part of me, that seems to never be okay, happy or satisfied. It never settles. And if it feels right, then let’s feel better, and better, and better… You understand where this is going, right?
I mean this can be positive personality trait, meaning that you always work for more. Yeah, right, sure. It can be exhausted and you might end up needing to train yourself to balance your two “yous”. Sure, it is good to want more, to be persistent and ambitious, but then you also should ask yourself what do you want in life. And be ambitious about it, about what you want, instead of creating different aims every morning and every night and make yourself tired, because you want to accomplish them all by the end of the month, or make yourself frustrated because you didn’t.
It is like that song from Variações “porque só estou bem, onde não estou, porque eu só quero ir onde não vou”. This is a common place for me and sometimes I take it as an interesting feeling and I let it flow and see where it takes me. I must say that sometimes these feelings bring me a wave of creativity, inspiration and fearless motivation, to jump to the next adventure of my life. In other moments, well, it gets me so depressed. Never forget that while feeling these feelings you must keep working and do your daily life or routine (routine, what a lovely word – not – but that will be for another text). You have to keep managing yourself and everything that is happening in your life while all the time you are feeling like you don’t belong, to anything, anyone, anywhere. Ok, maybe to your bed, that’s fair, I feel comfortable in my bed in moments like that, so yes.
The best way to picture it to you is if you imagine a line with a series of ups and downs, some of them not too long, other ones really high and others really low. It is a fucking mess. It is amazing when you are in the high moment. Honestly, because it kind of feels like you’re high something that makes you feel a super person, capable of everything, confident, happy and in control of your life. Everything is good, life is good and you are greater. And like always, sooner or later, there’s your hangover waiting for you, and it explodes in your face, your heart and your soul, without you even notice a thing. Then, everything is grey, life is whatever-you-don’t-even-care-about-it, and you are numb and, for some unknown reason for you at that moment, sad.
I guess, maybe the trick is to embrace it and let it flow through you: feel it, accept it, the good and he bad, without fighting it or making it bigger than it is, because then it gets harder to get out of it.

So live it, that is life. The good is life, the bad is life, all is life. Life is everywhere, in everything, and like I said before (wow, I wrote so much to ended up saying the same), it depends on how you look at it. It also depends on the people you have supporting you. Hope you guys have amazing people to be there for you, I know I do.
imagem retirada de weheartit.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As desculpas pedem-se, os erros é que se evitam

As desculpas não se pedem, evitam-se. Passei a minha vida inteira a ouvir isto, para chegar aos 25 anos e perceber que é a maior estupidez de sempre.  Essa é a uma frase que as pessoas usam quando colocam expectativas demasiado elevadas para as outras. As desculpas pedem-se sim, as desculpas são para se pedir, é das primeiras coisas que ensinamos às crianças: pedir desculpa quando erram ou fazem uma asneira. Porque é que a partir de determinada altura já não queremos que as pessoas nos peçam desculpa? As desculpas pedem-se, o que se evita são os erros e ainda assim sabemos que ao longo da nossa vida iremos errar várias vezes.  Novamente, quem diz o contrário são as pessoas que criam expectativas excessivamente altas para os outros, impossíveis de cumprir. E ainda que digamos que devemos evitar os erros, não por aí umas quantas linhas filosóficas ou o que lhe quiserem chamar que defendem que é a partir dos erros que aprendemos? Que é com os que crescemos? Que os erros são parte essencial d…

Quantos queres?

Diz-me lá, quantos queres?
Nesta brincadeira de crianças
que está prestes a tornar-se séria, diz-me lá
Quantos queres?
Dias de sol, quantos queres?
Abraços de quem amas, quantos queres?
Uma festa no cabelo, quantos queres?
Noites de amor intenso e sem fim, quantos queres?
Diz-me lá, sinto que queres algo mais.
Dias de liberdade, quantos queres?
Momentos em que podes ser tu próprio, quantos queres?
Passeios na rua julgamentos dos outros, quantos queres?
Diz-me lá o quanto queres ser livre e seres tu, sem que ninguém te critique ou coloque em causa quem és. Diz-me o quanto queres gritar ao mundo de quem gostas, sem que ninguém te olhe de lado. Diz-me o quantos olhares de lado já sentiste, quantas pessoas a desaprovar um abraço, umas mãos dadas, um beijo que tenhas dado. Diz-me quantas vezes já te sentiste preso/a dentro do teu próprio corpo, quantas vezes escondeste o que realmente pensavas e  sentias para te enquadrares na sociedade, no teu grupo, na tua família, para fazeres parte do quadrado que…

Sobre a arte de estar sempre a aprender

O senhor V. e a dona P. têm sido uma verdadeira descoberta para mim. Nunca imaginei que fosse gostar tanto do que faço atualmente, que me fosse sentir tão bem, que fosse simpatizar tanto com os meus patrões, e lhes ter carinho, aquele carinho que criamos quase automaticamente por pessoas que nos fazem lembrar e que poderiam ser nossos pais. O senhor V. disse-me num dos primeiros dias que trabalhei na ourivesaria: "O saber não ocupa lugar" e é tão verdade. Tenho aprendido tanto com ele. Por vezes, chama-me de "Dra.", sabendo que eu não gosto nada disso, e diz com toda a certeza que eu sei fazer tudo o que ele faz, diga-se: mudar pilhas aos relógios, mudar braceletes, e arranjar umas quantas outras coisas. Porque fui para a universidade e portanto saberei tudo isso, porque sou "Dra.". Mas não sei e não sou Dra. Na faculdade não aprendi metade das coisas que tenho aprendido nas restantes áreas da minha vida, nem a faculdade de me ensinou, nem poderia ensinar …