Avançar para o conteúdo principal
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga!
Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária.
Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que seja o melhor que sei. E, eu também mereço. E aproveito este momento, para me focar em mim, melhorar o que preciso, aprender o que desconheço, investir no que gosto e me interessa.

A minha vida é demasiado rica, tem demasiadas coisas boas para deixar que o facto de não trabalhar na minha área tenha tanta influência. Continuo a querer trabalhar na área, mas descobri que me posso sentir realizada, mesmo sem atingir esse objetivo. Tal como a vida já me deu oportunidades desafiantes e difíceis, também me dá agora uma oportunidade de relaxar e me dedicar as outras áreas e conhecer outros mundos, sem me esquecer daquilo que quero.




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Sou e não sou

Posso parecer, mas não sou.
Não sou forte. Não sou de pedra. Não sou fria, nem insensível.
Posso parecer, mas não sou. Emociono-me com uma simples frase, dita no momento certo. Sou capaz de chorar no filme, menos lamechas, porque me identifiquei com algo que aconteceu. Por mais que me habitue a despedidas, continuo deixar cair uma lágrima nesses momentos.
Posso parecer, mas não sou. Posso não chorar à tua frente. Pode parecer que não me importo.
Pode não parecer, mas tenho sentimentos. Posso entender as tuas razões, mas não abandonar as minhas. Posso entender-te, mas continuar a querer que me entendam a mim.
Posso parecer dura, mas também quebro. O meu saco também enche. A minha paciência também se esgota. O meu amor é livre, mas também se cansa.
Não sou fria, mas vou aprendendo a afastar-me quando é preciso. Não sou insensível, mas sei respeitar o teu espaço. Não sou de pedra, mas sei fingi-lo, se necessário para preservar o meu mundo. Não sou forte, mas aguento o que me aparecer, mesmo sem acreditar que…
Ele disse que não e nesse momento apercebi-me. Não foi um "não" diferente dos outros, eu é que se calhar estava num momento diferente da vida. E aquele "não" levou-me numa viagem no tempo para analisar em segundos várias relações algumas que ainda se mantinham, outras não. Uma viagem dura que terminou com uma convulsão de emoções e sentimentos que pareciam ter surgido devido àquele simples "não", erradamente. Era apenas um não repetido no tempo. Uma rejeição não curada. Um abandono que não foi esquecido. Era a perpetuação da ideia de que a minha pessoa não é suficiente para manter as pessoas interessadas em permanecerem na minha vida, parte de mim, da minha vivência. A repetição da ideia de que as pessoas vão embora por minha causa, porque há algo em mim que falha e as faz dizer adeus.  Há pequenas feridas que parecem não ter muita importância. No entando, se não são tratadas, não desaparecem. Por vezes nem cicatrizam, ficam só ali, ferida aberta. E, por ve…

As meias

São as meias. Onde estão as minhas meias afinal? Caramba, isto antes eram tão fácil, era só abrir a gaveta e tirar umas meias, todas eram minhas, todas eram tuas. Tudo era partilha. Agora foste e levaste algumas coisas. Levaste tudo, atrevo-me dizer. Só me deixaste a mim. E agora, as minhas meias, onde estão? Eram todas nossas, não havia divisão. Habituei-me de tal forma que me perdi. Já nem consigo distinguir que meias são minhas. Pensei enviar-te estas por correio, uma vez que não as reconheço, não são "minhas". Posso pedir-te para veres se tens meias minhas? Parece absurdo. Que estúpida que sou, ninguém liga a meias. São só meias. Mas preciso delas para sair de casa, ir trabalhar, fazer a minha vida. Como é que vou fazer isso sem meias? (Sem ti?) Mas afinal são só meias. Talvez vá de sandálias, é mais fácil, assim não tenho de pensar. Não preciso de abrir a gaveta e olhar para aquele monte de meias, algumas sem par, perdidas, como eu. Cinzentas, pretas, azuis? Comprávamos s…