Avançar para o conteúdo principal

Pelos Direitos dos Animais!

Fui porque acho que merecem todo o nosso amor e respeito. Estes nosso amigos, dão-nos tudo o que têm, entregam-se e, a verdade, é que não são nada exigentes e dão agradecem a cada instante o lar onde vivem, a comida na sua tacinha e uma festinha, duas, três, todas as que quisermos, o amor que temos para dar é sempre querido por eles. Além disso, também se alegram com a nossa alegria e sofrem as nossas dores. São capazes, mais do que muitos humanos, de uma paciência e lealdade incríveis e, mesmo quando estamos doentes, não nos abandonam, mas deitam-se ao nosso lado, na cama, como que a dar-nos um beijo na testa e relaxando-nos. E é por tudo isto e muito mais que não compreendo como, às vezes, somos capazes de tais atrocidades com os animais. E é por estas atitudes (des)humanas que não compreendo como somos capazes de nos auto-intitularmos seres superiores, porque de facto os nossos comportamentos só mostram a nossa inferioridade, baixeza e ignorância. Não acho que sejamos superiores, mas sim iguais e por isso lhes devemos respeito, mas penso que também temos outra missão, pelo menos enquanto algumas mentes continuam cegas. Temos as missão de ser a voz destes animais, uma vez que a maioria dos humanos não é capaz de compreender o que eles sentem. Porque aqueles seres humanos que realmente amam e se preocupam com os animais comunicam com eles e percebem-nos, porque falam naquela linguagem única  e universal que é o amor e que anda esquecida para muitas pessoas.
Fui e voltaria a ir. Voltarei a ir noutra oportunidade, tenho pensa que não tenha aparecido mais gente e penso que também merecia ter sido melhor organizada (ao menos aprendemos algo para manifestações seguintes). Espero é que não se caia no erro de tornar este assunto uma politiquice, ouvi referirem-se a alguns partidos e achei que aí o que se dizia já não fazia muito sentido e explico porquê. Quem vai a estas manifestações não vai porque é do partido X, Y ou Z, vai porque se preocupa com os animais e isso é o cerne da questão! Sim, devemos chamar a atenção dos nossos governantes, obviamente, porque são eles que têm o poder de modificar muito do que está mal relativamente aos direitos dos animais. Mas, penso que estas manifestações não devem ser marcadas pela presença de representantes deste ou daquele partido, nem devemos apontar o dedo a este ou aquele partido, porque se não corremos o risco de ser a mesma vergonha que são as nossas campanhas eleitorais e isso seria triste. Claro que as pessoas que pertencem a qualquer partido podem e devem aparecer e ajudar, mas penso que como indivíduos e não como parte do partido. O bom era que todos os partidos, todos os políticos, governantes, pessoas que estão no poder acordassem para estes problemas.
Acredito, tenho de acreditar, que aos poucos esta sociedade se tornará mais humana (e porque não também mais animal se é que me percebem), chega de ser arrogante para quem só pede amor, os animais. Acima de tudo acho que todos devíamos perceber aquilo que é tão óbvio e inegável - os animais não são coisas, são SERES VIVOS e, portanto, capazes de sentir tudo como nós - desde a alegria extrema à dor insuportável.
Enquanto escrevo, tenho o meu gato lindo ao meu lado, o Mimo, a tentar subir-me para o colo calcando todas as teclas do computador. É sempre assim, a pedir o meu carinho a toda a hora e a dar-me sempre o seu. 
É um amor mútuo e sincero, fácil de encontrar nos animais, mas mais difícil entre seres humanos.

Comentários

Mafalda disse…
adoro! falaste do teu gato ao colo, imagina eu que tenho 12...é complicado. Mas retribuem, apesar de que acho que os cães nos dão muito mais.

Mensagens populares deste blogue

Tu que és psicóloga...

"Tu que és psicóloga..."
É o início de uma frase que me irrita bastante e que normalmente, na minha experiência, antecede um conjunto de disparates que as pessoas acham, que eu que sou "psicóloga" "sei" que obviamente são a verdade mais correta e óbvia deste mundo.

"Tu que és psicóloga sabes que as crianças com pais separados são assim..."
"Tu que és psicóloga sabes que quem fuma erva acaba sempre por experimentar e passar para coisas mais graves"
"Tu que és psicóloga sabes que se um pai é assim o filho também vai ser, não há por onde fugir"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças mais quietas e sossegadas normalmente crescem com problemas"
"Tu que és psicóloga sabes que as crianças irrequietas depois acabam por ter mau aproveitamento, problemas na escolas e comportamentos de risco"
"Tu que és psicóloga, dá-me lá a tua opinião sobre o meu filho/a minha amiga/o meu pai/o meu patrão/etc.."

São só alguns…

#paciênciadevegetariano

Desde que me tornei vegetariana que tenho vindo a exercitar diariamente uma competência muito importante: a paciência. É que a partir desse momento, todas as pessoas viraram especialistas em alimentação ou então passaram a achar imensa piada gozar com o facto de eu ser vegetariana. Ok, toda a gente não, mas muita, muita gente faz isso. Aqui vai uma lista do que tenho ouvido ao longo dos anos, depois de dizer que sou vegetariana:

- então, o que é que comes?
- então, e a proteína?
- comes como os coelhos?
- ai, eu não consegui comer só saladas!
- eu também já fui vegetariana por um mês.
- eu já tentei, mas tenho anemia crónica.
- não sei como consegues, eu não passo sem um bom bife! Ai que maravilha!
- mas de vez em quando comes carne e peixe, não é?
- e não tens problema nenhum?
- mas dá muito trabalho fazer essas comidas, não dá?
- coitado do teu namorado, também tem de comer disso, não é? deve passar uma fome!
- então lá em casa fazem dois jantares não é? Porque o teu namorado não é vegetariano!
Decidi desistir da frustração e passar a focar-me no que de bom tem a minha realidade. Há aspetos da vida aos quais, às vezes, damos demasiada importância, ignorando o que nos corre bem. Alguns verão esta minha atitude como pessimista ou conformista, talvez seja. Mas eu não desisti de procurar emprego na minha área, desisti sim de me sentir frustrada e desanimada, dia após dia. Para os empregadores que andam por aí, continuo 100% motivada para ser psicóloga! Mas a minha felicidade não pode depender de ter trabalho na minha área e, portanto a vida tem de andar para a frente. E, no meio de envio de currículos para os mais variados locais, dentro e fora da minha área de residência, dedico-me a tentar ser cada vez melhor nas minhas funções enquanto profissional, no trabalho temporário que entretanto encontrei, e como voluntária. Porque a vida é agora, é o hoje e hoje eu trabalho neste local e sou voluntária desta associação, e ambos merecem a minha dedicação e respeito, ambos merecem que se…